NOTA DA COMISSÃO POLÍTICA DO PCdoB DE SANTO ANDRÉ

 O PCdoB conclama a todos filiados, filiadas e militantes para o ato a ser realizado no dia 03 de junho, sexta feira, às 19 horas no Clube de Portugal do ABC. No ato estarão presentes todos os partidos que compõe o arco de alianças em torno do prefeito Carlos Grana para as eleições 2016. O ato terá ainda uma análise de conjuntura politica com a presença do Deputado Federal Orlando Silva, presidente estadual do PCdoB. Solicitamos empenho na convocação e mobilização de todos os filiados e militantes, em especial os pré-candidatos e seus respectivos grupos de apoio.
741aeb89-0fcb-49f1-ab94-9f4a99f12d4f

NOTA OFICIAL DA UJS SANTO ANDRÉ SOBRE O ESTUPRO COLETIVO OCORRIDO NO RIO DE JANEIRO E DEMAIS LOCAIS DO BRASIL

13256009_1113819605369458_8236743493331612649_n

NENHUMA MULHER MERECE SER ESTUPRADA!

Eu não quero saber se essa menina tem filho, se ela frequenta baile funk ou se ela é usuária de drogas, nada justifica esse ato desumano! ESSA MENINA NÃO PEDIU PARA SER ESTUPRADA POR 33 HOMENS.
Ela pode sim ir ao baile funk, ela pode sim usar aroupa que ela quiser, ela pode o que ela quiser, mas a partir do momento em que estão fazendo algo contra vontade dela, a partir do momento em que não estão respeitando o seu espaço, torna-se abusivo, se torna estupro e deve ser combatido. A cultura do estupro está viva no nosso cotidiano, as mulheres vivem centenas de ameaças violentas todos os dias, que começam por cantadas nas ruas, os assédios verbais, podendo levar aos assédios físicos, logo ao estupro, nenhum homem nasce machista, torna-se machista! A culpa é do patriarcado que ensina aos homens a serem machistas!


Seguiremos fortes na luta, seguiremos florescendo combatendo o machismo, até que ele seja totalmente desconstruído.


Lembrando que feminismo=machismo!


Feminismo nada mais é do que as mulheres lutando por uma sociedade onde nós não seremos discriminadas por sermos mulheres, onde os direitos não sejam iguais, mas sim onde temos equidade, pois nós temos necessidades diferentes! Nós precisamos sim do feminismo, se não tivéssemos ele, não iríamos votar, não iríamos fazer um concurso público por exemplo, não iríamos nem ter a liberdade de andar na rua, não iríamos poder fazer nada, só iríamos ficar em casa as ordens de nossos maridos, maridos pois sem o feminismo e sem a luta LGBT jamais as mulheres lésbicas ou bissexuais iriam poder demonstrar Q são lésbicas ou bissexuais e ter seus relacionamentos sem serem discriminadas, e mesmo com nossa antiga luta pelo feminismo nós ainda vivemos numa sociedade extremamente machista, onde somos objetos!

COMISSÃO TÉCNICA DO ARAGUAIA EXALTA UNIÃO DA EQUIPE PARA SUCESSO NA COPA DA AMIZADE

Alexandre Peca e Renato Ramos confiantes no titulo do Araguaia

Alexandre Peca e Renato Ramos confiantes no titulo do Araguaia

Com pouco menos de 1 ano de existência o Araguaia acumula um retrospecto favorável segundo a comissão técnica do time formada por Renato Ramos, Alexandre Peca (foto) e Mateus Silva.

Para o treinador do Araguaia Renato Ramos a liderança isolada na Copa Amizade não é por acaso. “É fruto de um trabalho sério e sincero da comissão, diretoria e dos jogadores. Esse é o terceiro torneio que participamos e utilizamos os anteriores como laboratório, a Copa Santo André por exemplo já foi um importante sinal do crescimento da equipe onde em meio aos 80 times filiados a Liga ficamos entre os 30 melhores da Cidade’. Destacou Ramos.

“Agora é manter o foco, buscar cada vitória e caminhar com humildade jogo a jogo em busca do título da Copa Amizade que certamente nos trará ainda mais confiança para o objetivo principal de 2016 que é o acesso na terceira divisão do amador da Cidade” complementou o auxiliar técnico Alexandre Peca.

Em gravação, Jucá combina derrubar Dilma para parar a Lava Jato

,0

Em diálogos gravados, Jucá fala em pacto para deter avanço da Lava Jato: Delcidio foi preso por uma gravação que, segundo a PF e STF, ele queria  interferir na Operação Lava Jato… Agora pergunta-se. Romero Juca vai para cadeia também?

Gravações mostram que Jucá articulou impeachment para parar Lava Jato

Ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado:– Tem que ter um impeachment.
 
Romero JUCÁ – Tem que ter impeachment. Não tem saída.
Em conversas ocorridas em março passado, o ministro do Planejamento, senador licenciado Romero Jucá (PMDB-RR), sugeriu ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma “mudança” no governo federal resultaria em um pacto para “estancar a sangria” representada pela Operação Lava Jato, que investiga ambos.

JUCÁ – [Em voz baixa] Conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ‘ó, só tem condições de [inaudível] sem ela [Dilma]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra não vai parar nunca’. Entendeu? Então… Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. Estão monitorando o MST, não sei o quê, para não perturbar.

MACHADO – Eu acho o seguinte, a saída [para Dilma] é ou licença ou renúncia. A licença é mais suave. O Michel forma um governo de união nacional, faz um grande acordo(…) Esse país volta à calma, ninguém aguenta mais. Essa cagada desses procuradores de São Paulo ajudou muito. [referência possível ao pedido de prisão de Lula pelo Ministério Público de SP e à condução coercitiva ele para depor no caso da Lava jato]

Gravados de forma oculta, os diálogos entre Machado e Jucá ocorreram semanas antes da votação na Câmara que desencadeou o impeachment da presidente Dilma Rousseff. As conversas somam 1h15min e estão em poder da PGR (Procuradoria-Geral da República).
Machado passou a procurar líderes do PMDB porque temia que as apurações contra ele fossem enviadas de Brasília, onde tramitam no STF (Supremo Tribunal Federal), para a vara do juiz Sergio Moro, em Curitiba (PR).
Em um dos trechos, Machado disse a Jucá: “O Janot está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. […] Ele acha que eu sou o caixa de vocês”.
Na visão de Machado, o envio do seu caso para Curitiba seria uma estratégia para que ele fizesse uma delação e incriminasse líderes do PMDB.
Machado fez uma ameaça velada e pediu que fosse montada uma “estrutura” para protegê-lo: “Aí fodeu. Aí fodeu para todo mundo. Como montar uma estrutura para evitar que eu ‘desça’? Se eu ‘descer’…”.
Mais adiante, ele voltou a dizer: “Então eu estou preocupado com o quê? Comigo e com vocês. A gente tem que encontrar uma saída”.
Machado disse que novas delações na Lava Jato não deixariam “pedra sobre pedra”. Jucá concordou que o caso de Machado “não pode ficar na mão desse [Moro]”.
O atual ministro afirmou que seria necessária uma resposta política para evitar que o caso caísse nas mãos de Moro. “Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”, diz Jucá, um dos articuladores do impeachment de Dilma. Machado respondeu que era necessária “uma coisa política e rápida”.
“Eu acho que a gente precisa articular uma ação política”, concordou Jucá, que orientou Machado a se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e com o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP).
Machado quis saber se não poderia ser feita reunião conjunta. “Não pode”, disse Jucá, acrescentando que a ideia poderia ser mal interpretada.
O atual ministro concordou que o envio do processo para o juiz Moro não seria uma boa opção. “Não é um desastre porque não tem nada a ver. Mas é um desgaste, porque você, pô, vai ficar exposto de uma forma sem necessidade.”
E chamou Moro de “uma ‘Torre de Londres'”, em referência ao castelo da Inglaterra em que ocorreram torturas e execuções entre os séculos 15 e 16. Segundo ele, os suspeitos eram enviados para lá “para o cara confessar”.
Jucá acrescentou que um eventual governo Michel Temer deveria construir um pacto nacional “com o Supremo, com tudo”. Machado disse: “aí parava tudo”. “É. Delimitava onde está, pronto”, respondeu Jucá, a respeito das investigações.
 
O senador relatou ainda que havia mantido conversas com “ministros do Supremo”, os quais não nominou.  Jucá  diz ao aliado, que  eles teriam relacionado a saída de Dilma ao fim das pressões da imprensa e de outros setores pela continuidade das investigações da Lava Jato.
Jucá afirmou que tem “poucos caras ali [no STF]” ao quais não tem acesso e um deles seria o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no tribunal, a quem classificou de “um cara fechado”.
Machado presidiu a Transpetro, subsidiária da Petrobras, por mais de dez anos (2003-2014), e foi indicado “pelo PMDB nacional”, como admitiu em depoimento à Polícia Federal. No STF, é alvo de inquérito ao lado de Renan Calheiros.
Dois delatores relacionaram Machado a um esquema de pagamentos que teria Renan “remotamente, como destinatário” dos valores, segundo a PF. Um dos colaboradores, Paulo Roberto Costa disse que recebeu R$ 500 mil das mãos de Machado.
Jucá é alvo de um inquérito no STF derivado da Lava Jato por suposto recebimento de propina. O dono da UTC, Ricardo Pessoa, afirmou em delação que o peemedebista o procurou para ajudar na campanha de seu filho, candidato a vice-governador de Roraima, e que por isso doou R$ 1,5 milhão.
O valor foi considerado contrapartida à obtenção da obra de Angra 3. Jucá diz que os repasses foram legais.
LEIA TRECHOS DOS DIÁLOGOS
Data das conversas não foi especificada
SÉRGIO MACHADO – Mas viu, Romero, então eu acho a situação gravíssima.
ROMERO JUCÁ – Eu ontem fui muito claro. […] Eu só acho o seguinte: com Dilma não dá, com a situação que está. Não adianta esse projeto de mandar o Lula para cá ser ministro, para tocar um gabinete, isso termina por jogar no chão a expectativa da economia. Porque se o Lula entrar, ele vai falar para a CUT, para o MST, é só quem ouve ele mais, quem dá algum crédito, o resto ninguém dá mais credito a ele para porra nenhuma. Concorda comigo? O Lula vai reunir ali com os setores empresariais?
 
MACHADO – Agora, ele acordou a militância do PT.
 
JUCÁ – Sim.
 
MACHADO – Aquele pessoal que resistiu acordou e vai dar merda.
JUCÁ – Eu acho que…
MACHADO – Tem que ter um impeachment.
 
JUCÁ – Tem que ter impeachment. Não tem saída.
MACHADO – E quem segurar, segura.
JUCÁ – Foi boa a conversa mas vamos ter outras pela frente.
MACHADO – Acontece o seguinte, objetivamente falando, com o negócio que o Supremo fez [autorizou prisões logo após decisões de segunda instância], vai todo mundo delatar.
JUCÁ – Exatamente, e vai sobrar muito. O Marcelo e a Odebrecht vão fazer.
MACHADO – Odebrecht vai fazer.
JUCÁ – Seletiva, mas vai fazer.
MACHADO – Queiroz [Galvão] não sei se vai fazer ou não. A Camargo [Corrêa] vai fazer ou não. Eu estou muito preocupado porque eu acho que… O Janot [procurador-geral da República] está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho.
[…]
JUCÁ – Você tem que ver com seu advogado como é que a gente pode ajudar. […] Tem que ser política, advogado não encontra [inaudível]. Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra… Tem que mudar o governo pra poder estancar essa sangria.
[…]
MACHADO – Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer].
JUCÁ – Só o Renan [Calheiros] que está contra essa porra. ‘Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha’. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, porra.
MACHADO – É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.
JUCÁ – Com o Supremo, com tudo.
MACHADO – Com tudo, aí parava tudo.
JUCÁ – É. Delimitava onde está, pronto.
[…]
MACHADO – O Renan [Calheiros] é totalmente ‘voador’. Ele ainda não compreendeu que a saída dele é o Michel e o Eduardo. Na hora que cassar o Eduardo, que ele tem ódio, o próximo alvo, principal, é ele. Então quanto mais vida, sobrevida, tiver o Eduardo, melhor pra ele. Ele não compreendeu isso não.
JUCÁ – Tem que ser um boi de piranha, pegar um cara, e a gente passar e resolver, chegar do outro lado da margem.
MACHADO – A situação é grave. Porque, Romero, eles querem pegar todos os políticos. É que aquele documento que foi dado…
JUCÁ – Acabar com a classe política para ressurgir, construir uma nova casta, pura, que não tem a ver com…
MACHADO – Isso, e pegar todo mundo. E o PSDB, não sei se caiu a ficha já.
 
JUCÁ – Caiu. Todos eles. Aloysio [Nunes, senador], [o hoje ministro José] Serra, Aécio [Neves, senador].
 
MACHADO – Caiu a ficha. Tasso [Jereissati] também caiu?
 
JUCÁ – Também. Todo mundo na bandeja para ser comido.
[…]
MACHADO – O primeiro a ser comido vai ser o Aécio.
JUCÁ – Todos, porra. E vão pegando e vão…
MACHADO – [Sussurrando] O que que a gente fez junto, Romero, naquela eleição, para eleger os deputados, para ele ser presidente da Câmara? [Mudando de assunto] Amigo, eu preciso da sua inteligência.
JUCÁ – Não, veja, eu estou a disposição, você sabe disso. Veja a hora que você quer falar.
MACHADO – Porque se a gente não tiver saída… Porque não tem muito tempo.
JUCÁ – Não, o tempo é emergencial.
MACHADO – É emergencial, então preciso ter uma conversa emergencial com vocês.
JUCÁ – Vá atrás. Eu acho que a gente não pode juntar todo mundo para conversar, viu? […] Eu acho que você deve procurar o [ex-senador do PMDB José] Sarney, deve falar com o Renan, depois que você falar com os dois, colhe as coisas todas, e aí vamos falar nós dois do que você achou e o que eles ponderaram pra gente conversar.
MACHADO – Acha que não pode ter reunião a três?
JUCÁ – Não pode. Isso de ficar juntando para combinar coisa que não tem nada a ver. Os caras já enxergam outra coisa que não é… Depois a gente conversa os três sem você.
MACHADO – Eu acho o seguinte: se não houver uma solução a curto prazo, o nosso risco é grande.
MACHADO – É aquilo que você diz, o Aécio não ganha porra nenhuma…
 
JUCÁ – Não, esquece. Nenhum político desse tradicional ganha eleição, não.
 
MACHADO – O Aécio, rapaz… O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB...
JUCÁ – É, a gente viveu tudo.
JUCÁ – [Em voz baixa] Conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ‘ó, só tem condições de [inaudível] sem ela [Dilma]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra não vai parar nunca’. Entendeu? Então… Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. Estão monitorando o MST, não sei o quê, para não perturbar.
MACHADO – Eu acho o seguinte, a saída [para Dilma] é ou licença ou renúncia. A licença é mais suave. O Michel forma um governo de união nacional, faz um grande acordo, protege o Lula, protege todo mundo. Esse país volta à calma, ninguém aguenta mais. Essa cagada desses procuradores de São Paulo ajudou muito. [referência possível ao pedido de prisão de Lula pelo Ministério Público de SP e à condução coercitiva ele para depor no caso da Lava jato]
JUCÁ – Os caras fizeram para poder inviabilizar ele de ir para um ministério. Agora vira obstrução da Justiça, não está deixando o cara, entendeu? Foi um ato violento…
MACHADO -…E burro […] Tem que ter uma paz, um…
JUCÁ – Eu acho que tem que ter um pacto.
[…]
MACHADO – Um caminho é buscar alguém que tem ligação com o Teori [Zavascki, relator da Lava Jato], mas parece que não tem ninguém.
 
JUCÁ – Não tem. É um cara fechado, foi ela [Dilma] que botou, um cara… Burocrata da… Ex-ministro do STJ [Superior Tribunal de Justiça]. 

 Em conversa, Jucá afirma que ‘caiu a ficha do PSDB’ sobre operaçãoEm uma das conversas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, o então senador Romero Jucá (PMDB-RR) afirma que “caiu a ficha” de líderes do PSDB sobre o potencial de danos que a Operação Lava Jato pode causar em vários partidos.

“Todo mundo na bandeja para ser comido”, diz Jucá.

Sérgio Machado, que foi do PSDB antes de se filiar ao PMDB, afirma que “o primeiro a ser comido vai ser o Aécio [Neves (PSDB-MG)”, e acrescenta: “O Aécio não tem condição, a gente sabe disso, porra. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB…”.

“É, a gente viveu tudo”, completa Jucá, sem avançar nos detalhes.

Machado tenta refrescar a memória de Jucá: “O que que a gente fez junto, Romero, naquela eleição, para eleger os deputados, para ele [Aécio] ser presidente da Câmara?” Não houve resposta de Jucá. Aécio presidiu a Câmara dos Deputados entre 2001 e 2002.

Machado diz que a “situação é grave” porque “eles”, em referência à força tarefa da Lava Jato, “querem pegar todo mundo”.

Jucá concorda, ironizando o plano. “Acabar com a classe política para ressurgir, construir uma nova casta, pura”, afirma.

O atual ministro do Planejamento também confidenciou a Machado as dificuldades que o PMDB vinha enfrentando para “a solução Michel”, que seria a posse do vice-presidente no lugar de Dilma Rousseff. O único empecilho, disse Jucá, era o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

“Só Renan que está contra essa porra. ‘Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha’. Gente, esquece o Eduardo Cunha. O Eduardo Cunha está morto, porra”, afirma Jucá no diálogo, que foi gravado.

“O Renan reage à solução do Michel. Porra, o Michel, é uma solução que a gente pode, antes de resolver, negociar como é que vai ser. ‘Michel, vem cá, é isso e isso, isso, vai ser assim, as reformas são essas'”, disse Jucá ao ex-presidente da Transpetro.

‘VOADOR’

O senador disse que Machado deveria alertar Renan porque o colega senador seria “voador”, ou seja, alguém bastante distraído. Machado concordou:

“O Renan é totalmente ‘voador’. Ele ainda não compreendeu que a saída dele é o Michel e o Eduardo. Na hora que cassar o Eduardo, que ele tem ódio, o próximo alvo, principal, é ele [Renan]. Então quanto mais vida, sobrevida, tiver o Eduardo, melhor para ele. Ele não compreendeu isso não”.

Jucá então completa: “Tem que ser um boi de piranha, pegar um cara, e a gente passar e resolver, chegar do outro lado da margem”.

O senador também afirmou a Machado que havia conversado com “generais”, os “comandantes militares”, e que eles haviam dado “garantias” ao PMDB a respeito da transição e estavam “monitorando” o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).

Após o diálogo entre os peemedebistas, Dilma acabou sendo afastada do cargo devido à abertura do processo de impeachment.

Palestra – O Início da Guerra Fria em Santo André será realizado na Casa da Palavra

PALESTRA

O INÍCIO DA GUERRA FRIA EM SANTO ANDRÉ

Com Eduardo Correa(foto), autor do livro A Viagem Interrompida – A aventura Comunista na Santo André dos anos 1940.

Eduardo Luiz Correia é autor do livro

Eduardo Luiz Correia é autor do livro

O livro escrito por Eduardo Luiz Correa trás a fantástica história da eleição do primeiro Prefeito operário e Comunista do Brasil: Armando Mazzo e mais uma grande bancada de Vereadores comunistas no coração do ABC, trás a cassação do registro das candidaturas e o impedimento de assumirem seus cargos legislativos e executivo.

Entrada Gratuita
20 de Maio – 19h
Casa da Palavra – Praça do Carmo, 171 – Centro de Santo André

Araguaia vence a segunda partida na Copa Amizade e assume a liderança isolada

Na segunda partida na Copa da Amizade 2016 o Araguaia conquistou a segunda vitória e assumiu a liderança isolada do grupo B e da competição em geral com seis pontos.

O Araguaia volta a campo no próximo dia 29 de Maio diante do atual Bi-Campeão da competição, o Vila do Sapo, que neste ano ao lado do Araguaia estréia na terceira divisão do campeonato amador da Cidade.

Elenco do Araguaia na Copa Amizade 2016

Elenco do Araguaia na Copa Amizade 2016

O Araguaia venceu o Terra Vermelha por 1×0 com: Ítalo, Neno, Isaac, Bahia e Igor (Bruno), Dede (Café), Diego (André), Felipe Silva (Romarinho), Bill (Teló), Hiago (Cesinha) e Coutinho (Urco).

Cartões amarelos: Dede e Felipe Silva

Atacante Coutinho foi o autor do gol do Araguaia

Atacante Coutinho foi o autor do gol do Araguaia

Goleiro Ítalo garantiu a vitória com boas defesas

Goleiro Ítalo garantiu a vitória com boas defesas

FALANDO SOBRE O GOLPE

Como fiz da última vez, novamente tornarei a falar do tema que tem abalado a nação, podem chamar de impeachment, mas saibam, é um golpe de estado, percebam, não falo do processo burocrático do impeachment, esse sim, aconteceu na mais perfeita normalidade, o que é torpe, é o motivo que levou a cabo tamanha bestialidade, foi torpe sim, julgar uma mulher sem crimes e considerá-la culpada, e fazer com que essa mulher, democraticamente eleita perca seu mandato, de forma a romper com os princípios democráticos, enfim, atropelaram o voto democrático para afastar uma presidentA limpa, sem crimes, apenas pelo desejo de poder, se isso não é um golpe no estilo do século 21(modelo este testado em El Salvador e Paraguai antes de ser aplicado em terras tupiniquins) eu não sei o que é.

Golpe interrompe mandato popular de Dilma legitimamente eleita no Brasil

Golpe interrompe mandato popular de Dilma legitimamente eleita no Brasil

Já falei muito sobre aqueles que pediram esse golpe nos meios institucionais,  mas é claro, não deixarei de falar sobre a hipocrisia de tudo isso, os juízes de Dilma, senadores de diversos setores, contam com Serra, que fez o projeto que entrega o petróleo brasileiro para os estrangeiros, Zezé Perrela cujo helicoptero foi apreendido na própria fazenda com 450Kg de pasta base de cocaína, Aécio Neves, cuja fama de cheirador de cocaína e mal perdedor nunca deixarão, o ex-presidente Fernando Collor(sim, quase foi impeachado, e agora é senador), além de diversas figuras caricatas fundamentalistas religiosas, enfim, todos sujos demais para julgar algo. Antes mesmo da defesa da presidentA ser ouvida, já se sabiam quantos votos a favor do golpe seriam realizados, ou seja, não houve debate real, não houve sequer um julgamento, imagine você, sendo julgado de um crime do qual sequer existe, e nesse julgamento, quando seu advogado apresenta sua defesa, o juri o ignora, já sendo conhecido o resultado antes mesmo da sua defesa, oras, não me parece algo limpo.
Mas agora falemos sobre o que implica o governo Temer, comecemos pela principal arma do Golpe, que não foi um canhão, um fuzil, uma espada, foi a mídia, a maldita Rede Globo de televisão e suas editoras amigas, como a Abril que edita a Veja, pois bem, após passar 13 anos espalhando mentiras, e mais recentemente, colocando até o clima ruim na conta da Senhora Vanda(o nome de guerrilheira da presidenta), a crise econômica, que é composta por três pilares essenciais, e que sem um deles, acabará, pilares esses que são, a crise política(onde incluo o papel da mídia, pois ela é protagonista nesse quesito), as más escolhas economicas(culpa da presidente) e o cenário internacional totalmente desfavorável aos países em desenvolvimento, não saiu por um segundo dos noticiários, a campanha de difamação aconteceu diariamente, e agora, como o “presidente ‘interino'” ordenou, “não falemos mais de crise”, a crise desaparecerá das manchetes, o desemprego crescente terá apenas os rodapés dos jornais, assim como todo de ruim, e o “Apesar da Crise” será substituido por “O País volta a andar”, será criada, a sensação de que o país finalmente virou “Suíça”, a crise política, se demonstrará superada, graças as alianças de Temer com o que é a base aliada mais “ficha suja” da história, e as nomeações de investigados na lava-jato para ministérios, e apesar de tantos corruptos participando do governo, a corrupção deixará de ser manchete, assim como em São Paulo ninguém bombardeia o ladrão de merenda, a mídia deixará de lado todos os parasitas corruptos que agora integram o governo, assim vemos a indignação seletiva, e percebemos que tudo foi friamente planejado. Os direitos e avanços sociais, serão destruídos, mas não de uma vez, serão destruídos pelas beiradas, irão tirar pouco a pouco, e quando percebermos, os mais fundamentais direitos conquistados a árduas penas, terão sido levados.
O que mais me entristece, é ver pessoas que acham que vão tirar Temer de lá, vocês não vão conseguir, nem ninguém, pois se o processo for aberto, seus apoiadores sequer irão aparecer para votar, os quase 370 que votaram “sim”, não vão se importar de dizer o oposto do que disseram antes, como metamorfoses ambulantes, e votarão em “não” pela família, Deus, torturadores, e seus filhos. A mídia não investigará corrupção, ninguém impedirá a posse de sete investigados, tudo isso foi um pretexto, para a entrega do petróleo, a caça aos direitos, a caça aos programas sociais, uma política econômica que penaliza os trabalhadores, prestem atenção no que direi, quando o arrependimento bater, não quero que chorem, quero que sofram, quero que caiam lágrimas de sangue com essa decisão que fizeram, se quiserem se juntar a luta por um país popular e democrático, saibam que dividiremos as ruas, mesmo eu sabendo que vocês, golpistas proto-fascistas, cometerão novamente os mesmos erros, pois vocês, assim como nos tempos de Getúlio, ou em 1964, estão do lado da oligarquia, mesmo que sem saber, vocês estão, e sempre estarão do lado torpe da história.

Hector Palma é estudante da UFABC, militante da UJS e do PCdoB de Santo André.

Hector Palma é estudante da UFABC, militante da UJS e do PCdoB de Santo André.

CÂMARA SEDIA SEMINÁRIO SOBRE ELEIÇÕES 2016

O Instituto Paulista do Direito Público (IPDP), em parceria com a Câmara Municipal de Santo André, promove o Seminário “Eleições de 2016”, tendo em vista a reforma eleitoral que altera o cenário do próximo pleito. O evento será realizado no Plenário Vereador João Raposo Rezende Filho – Zinho, nesta sexta-feira (13), das 8h30 às 12h. O objetivo do seminário é debater as regras eleitorais vigentes, o novo sistema de prestação de contas, bem como tratará do marketing eleitoral. É um evento de interesse público e apartidário.

Até às 9h será realizado cadastramento. Em seguida, os trabalhos serão iniciados com fala do presidente da Casa, vereador Ronaldo de Castro (PRB) e composição da mesa. A primeira palestra será ministrada pelo advogado especialista em Direito Eleitoral Anderson Pomini, com o tema “Principais Alterações na Legislação Eleitoral”. O advogado especialista em Direito Público e Financeiro Marcos Gaban Monteiro vai falar sobre “Financeiro de Campanha e Prestação de Contas”. Por fim, o gestor de Campanhas Políticas Joel Oliveira e o especialista em Marketing Político Fernando Vieira, estarão à frente dos temas “Escale sua Seleção para as Eleições 2016” e “Mídias Digitais nas Eleições 2016”, respectivamente.

De acordo com o presidente da Câmara, o seminário vem ao encontro de partidos, candidatos, militância e da própria sociedade civil, para que possam entender a nova dinâmica e os desdobramentos da reforma eleitoral. “As regras que regem este novo cenário político ainda não estão muito claras e, por isso, precisamos entender quais são estes novos critérios. O modo que as campanhas eram feitas foi alterado e devemos estar bem atentos”, ressaltou Ronaldo de Castro.

Serviço:

Local: Plenário Vereador João Raposo Rezende Filho – Zinho
Endereço: Praça IV Centenário, 2 – Centro, Santo André
Horário: 8h30 às 12h
Aberto ao Público

2016eleies

TELÃO NO PAÇO MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ

Telão Paço Sou Andreense

Com realização da Prefeitura Municipal de Santo André e apoio da Associação Sou Andreense, além das torcidas organizadas do clube será colocado a disposição dos torcedores do Esporte Clube Santo André que não puderem se deslocar até a Cidade de Mirassol no próximo sábado (07/05) um telão no Paço Municipal (Praça IV Centenário, S/N – Centro – Santo André) para acompanhar a grande decisão do campeonato paulista da série A-2 2016 entre Mirassol x E.C. Santo André naquela grande corrente positiva! Vista a sua camisa, traga a sua bandeira do Ramalhão e vamos vibrar juntos pelo título e pela sonhada vaga na Copa do Brasil 2017.

O telão estará funcionando a partir das 18h, a partida começa ás 19h, haverá barracas comercializando comida e bebida ao público presente em parceria com as entidades assistenciais do Município.

Convida os amigos, os familiares e venha para o Paço Municipal torcer pelo time de nossa Cidade!

ASSOCIAÇÃO SOU ANDREENSE
TORÇA PELO TIME DA SUA CIDADE!